Dez anos após matar o marido, Elize Matsunaga deixa a prisão e busca perdão da filha

Dez anos após matar o marido, Elize Matsunaga (40) deixou a prisão na tarde de ontem (30), após receber liberdade condicional na Justiça. Momentos depois, ela disse que a vítima, o empresário Marcos Matsunaga, já a perdoou.

Ela foi condenada a 19 anos e 11 meses de prisão por matar e esquartejar o empresário, então presidente da Yoki.

"Infelizmente não posso consertar o que se passou, o erro que cometi. Estou tendo uma segunda chance, infelizmente o Marcos não. Mas acredito na espiritualidade, que ele já tenha me perdoado e peço isso nas minhas orações", declarou ela em um vídeo divulgado pelo seu advogado Luciano Santoro.

Elize cumpria pena desde 2012 na penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo. Ao advogado, que a buscou na prisão logo após o alvará de soltura ser cumprido, ela afirmou que tem "uma nova faculdade pela frente e um livro para escrever.

O livro, em questão, foi escrito na prisão e é dedicado à filha do casal, a quem Elize pede perdão. A garota, hoje com 11 anos, tinha apenas 1 ano na ocasião do crime e, desde então, está sob a guarda dos avós paternos.

Elize é impedida de ter contato com a filha e vem sinalizando que pretende conhecer a criança. A família Matsunaga, por outro lado, busca destituí-la do poder familiar e retirar o nome de Elize da certidão de nascimento da garota.

Além do livro autobiográfico chamado “Piquenique no Inferno” a ser publicado, a história tem um documentário produzido pela Netflix, intitulado “Elize Matsunaga: Era Uma Vez um Crime”, lançado em 2016. A produção tem depoimentos de Elize, familiares, amigos do ex-casal e dos investigadores.





*Foto: Reprodução/Netflix