Estado Islâmico mata 20 cristãos nigerianos e exibe crime em vídeo

O grupo terrorista Estado Islâmico divulgou um vídeo mostrando a execução de cerca de 20 civis cristãos no Estado de Borno, na Nigéria, em vingança pela morte de seu líder na Síria pelas forças especiais dos Estados Unidos em fevereiro, segundo relatos.

O vídeo, publicado em uma agência de notícias ligada ao EI, mostra um militante mascarado executando um civil cristão enquanto diz que é vingança pela morte de seu líder Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurashi, um terrorista islâmico iraquiano e o segundo "califa" do Estado Islâmico.

O vídeo mostra três grupos de cativos com roupas civis, de acordo com a imprensa local.

O SITE Intelligence Group, com sede nos EUA que rastreia a atividade online de organizações jihadistas, confirmou a autenticidade do vídeo.

Armas estão sendo disponibilizadas para militantes na Nigéria através da Líbia devastada pela guerra. E na região Nordeste do país, os grupos terroristas Boko Haram e Estado Islâmico da África Ocidental, como o grupo do EI é conhecido na Nigéria, mataram milhares e deslocaram milhões nos últimos anos.

Em um relatório divulgado no ano passado, a Sociedade Internacional para liberdades civis e estado de direito (Intersociety), com sede em Anambra, estimou que cerca de 10 milhões de pessoas haviam sido retiradas no norte da Nigéria, onde a violência extremista foi mais grave, de julho de 2009 a julho de 2021.

O relatório acrescentou que cerca de 2.000 escolas cristãs foram atacadas durante esse período.

A intersociety disse que a violência em massa resultou da "propagação do islamismo radical".

O governo nigeriano, liderado pelo presidente Muhammadu Buhari, que vem de um fundo fulani, atribui a violência nos estados do Cinturão Médio a conflitos de agricultores-pastores de décadas. No entanto, defensores dos direitos humanos cristãos acusaram o governo de ignorar elementos religiosos e não fazer o suficiente para proteger os cidadãos nigerianos.