Clínicas particulares passam a vender vacina contra Covid-19 A vacina Astrazeneca contra a Covid-19 começa a ser aplicada nas clínicas particulares do Brasil a partir desta semana. Executivos da área informaram que já estão disponíveis dois milhões de doses do imunizante, em centros de distribuição, para serem vendidas aos laboratórios privados.

As primeiras doses foram negociadas com clínicas de São Paulo e Minas Gerais. E a estimativa é que cada dose custe entre R$ 300 a R$ 350 aos consumidores, mas será necessário ter uma prescrição médica para ser imunizado, caso o cidadão não esteja entre os grupos indicados pelo Ministério da Saúde. Atualmente, a quarta dose está sendo indicada para quem tem 60 anos ou mais.

A venda dos imunizantes pelo setor privado foi possível graças ao fim do Estado de Emergência Sanitária. Representantes do setor informaram que desde então, as negociações com as clínicas de todo país têm sido intensas. No primeiro momento, o setor espera uma procura de pessoas que queiram viajar para o exterior ou que tenham recomendação médica para receber o imunizante. A previsão é que o serviço passe a ser mais procurado por empresas ou associações que oferecem vacinas aos colaboradores ou associados, como ocorre hoje com a vacina contra a gripe, segundo Geraldo Barbosa, presidente da Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou na semana passada que avalia os custos de se manter uma vacinação anual contra a Covid-19 para toda a população. Queiroga citou o exemplo da vacina contra a gripe e reforçou que o setor privado pode ser procurado pela população.

Segundo o setor de clínicas de vacinas, inicialmente, apenas a AstraZeneca se ofereceu para vender as doses ao setor privado.

De pandemia para endemia

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, estabelece endemia como “a presença constante e/ou prevalência usual de uma doença ou agente infeccioso em uma população dentro de uma área geográfica”.

Em outras palavras, uma endemia é marcada pela ocorrência de uma quantidade esperada de casos e óbitos relacionados a uma doença, de acordo com uma região e uma época do ano. A tendência é que, independentemente do ano, esses números se mantenham relativamente iguais.

O fato da covid-19 se tornar endêmica não significará que o coronavírus SARS-CoV-2 desapareceu do mundo. Na verdade, a doença estará controlada, dentro de padrões considerados toleráveis, por causa da alta imunidade da população, obtida através da vacinação e de infecções prévias.

Nas últimas semanas, alguns países europeus decidiram colocar em prática a mudança da pandemia da covid-19 para a endemia, de forma gradual. São os casos do Reino Unido, da França, da Espanha e da Dinamarca.