Pastora é esfaqueada e incendiada por homem que estava evangelizando em sua casa

Uma igreja de Atlanta, nos EUA, chora a perda de uma pastora morta por um homem que ela supostamente tentava ajudar. O corpo de Marita Harrell, 57 anos, foi encontrado na última quarta-feira quando a polícia respondeu a um chamado de homicídio perto do quarteirão 1600 da Coffee Road, de acordo com o Departamento de Polícia do Condado de DeKalb.

Os policiais encontraram Harrell morta no local. No dia seguinte, a polícia prendeu Christopher Griggs, de 27 anos, segundo relatos. Investigadores disseram que Griggs esfaqueou Harrell enquanto ela estava ministrando para ele em sua casa.

De acordo com mandados citados por uma afiliada local da rede CBS, Griggs esfaqueou Harrell com uma faca de cozinha grande e ateou fogo em sua casa em Atlanta. A polícia diz que Griggs deixou o corpo de Harrell na beira da estrada, onde mais tarde foi encontrado.

Uma busca no banco de dados de detentos do Condado de Dekalb descobriu que Griggs foi preso anteriormente por violência doméstica e outras acusações. Harrell serviu como pastora sênior na “Connections at Metropolitan Church”, de acordo com sua biografia no site da igreja.

Em nota, a igreja disse: "Em nome da congregação, gostaríamos de agradecer a todos pelo amor, apoio e orações. Todas as suas palavras gentis são muito apreciadas durante este tempo. Suas orações contínuas são apreciadas!”

A igreja descreveu-se como um "corpo multicultural, multigeracional, de crentes, conectado à sua comunidade por meio de parcerias, programas e ministérios que conectam as pessoas a Cristo".

Harrell mudou-se de Chicago para Atlanta há mais de 30 anos. Ela trabalhou para o jornal “The Atlanta Journal-Constitution” por 22 anos. Ela se formou na “Candler School of Theology” na “Emory University” em maio de 2014.

Ela deixa o marido Antonio e as filhas Marae e Alyse.